Quarta, 20 Jun 2018 -

Estudantes do Sudeste participam de intercâmbio escolar e discutem protagonismo juvenil

 

Estudantes de duas escolas do Sudeste participaram nesta semana de uma aula diferente: um intercâmbio escolar.  Cerca de 40 alunos da Escola Estadual Virgílio Ferreira de França, localizada no município de Rio da Conceição, visitaram o Centro de Ensino Médio (CEM) Antônio Póvoa, em Dianópolis. O objetivo foi promover a troca de experiências sobre a atuação do Grêmio Estudantil e a importância do protagonismo juvenil.

 

O CEM Antônio Póvoa oferece o ensino médio em tempo integral no modelo Escola Jovem em Ação e tem se tornado referência na região. Um dos diferenciais da unidade é o incentivo ao protagonismo juvenil e a construção de um projeto de vida conforme as aptidões e sonhos de cada estudante.

 

Para a vice-presidente do grêmio estudantil Força Jovem, do CEM Antônio Póvoa, Thais Soares Dantas, poder colaborar com outros estudantes foi gratificante. “Ficamos felizes por ter tido a oportunidade de repassar nossos conhecimentos sobre grêmio e liderança estudantil, incentivando os alunos a montarem seu Grêmio Estudantil e exercerem a democracia e a participarem das decisões da escola e assim contribuir para o fortalecimento do processo de ensino e aprendizagem”, frisou.

 

Segundo o Aluno Rafael Ribeiro dos Santos, da Escola Estadual Virgílio Ferreira de França, o encontro foi fundamental para a reativação da agremiação estudantil na unidade de ensino. “Esse intercâmbio foi enriquecedor, pois assim tivemos noção do quão importante é ter um grêmio estudantil ativo. Percebemos o quanto podemos mudar nossa realidade, não apenas na unidade escolar, mas também na sociedade, lutando em prol dos nossos direitos e de forma pacífica”, relatou. 

 

Os visitantes também conheceram os principais projetos da escola anfitriã e voltaram para Rio da Conceição com ideias para o desenvolvimento de ações diversas. “Participar desse intercâmbio foi muito importante. Conhecemos muitos projetos desenvolvidos tanto na escola como também fora dela e vimos que o grêmio só tem a acrescentar na comunidade escolar”, contou Pablo Nunes, aluno da Escola Estadual Virgílio Ferreira de França.