Sábado, 23 Jun 2018 -

Meio Ambiente realiza trabalho de campo com monitoramento hidrometeorológico em rios do sudeste do Tocantins

 

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) articula sua equipe de Hidrometeorologia para efetivar mais uma semana de trabalho percorrendo municípios da região sudeste do Tocantins para a realização do monitoramento quantitativo de corpos hídricos. O trabalho foi iniciado na segunda-feira, 19, e segue até sexta-feira, 23, e os municípios visitados são Aurora do Tocantins, Conceição do Tocantins, Dianópolis, Taipas, Taguatinga e Natividade.

 

 

O trabalho desenvolvido em campo pela equipe é de extrema precisão e controle, nele acontece a medição de chuva, nível de vazão, vistoria, manutenção e coleta de dados das estações telemétricas da rede de adensamento do Tocantins e é feito periódica e constantemente. Tal trabalho levou o Tocantins a destaque nacional em 2017 com a divulgação pela ANA de ranking colocando o estado em primeiro lugar, com nota de 97,1% de desempenho no monitoramento de chuva, vazão e nível de reservatórios por meio das Plataformas de Coleta de Dados (PCD’s). 

 

“O trabalho que a equipe de hidrometeorologia da Semarh realiza envolve monitoramento, coleta de dados, limpeza e calibração dos equipamentos. São 29 Plataformas de Coleta de Dados (PCD’s) em funcionamento realizando o monitoramento da qualidade e quantidade da água no Estado”, explica o gerente do setor, Lorenzo Rigo Holsbach.

 

As Plataformas de Coleta de Dados (PCD’s) são estrategicamente instaladas nas bacias de todo o Estado e fornecem dados de alta precisão que são enviados por satélite para a sala de situação da Semarh e para a Agência Nacional das Águas (ANA), mantendo o alto padrão tecnológico que o Governo do Estado busca aplicar em suas ações. Esses dados obtidos compreendem pluviometria, fluviometria, vazão, luminosidade, temperatura, umidade relativa do ar, velocidade do vento e qualidade de água.

 

“Os dados oferecem subsídios para o gerenciamento dos recursos hídricos do estado, a fim de promover o uso racional da água, preservar a fauna e a flora aquática e prevenir que o abastecimento ao público não cesse. Eles são de suma importância, pois emitem alerta para grandes estiagens e riscos de enchentes”, conclui o gerente.